HTO Baixada passa a realizar artroscopia de ombro
Por devoção a São Jorge milhares de fiéis vão às ruas no Rio
Ministério Público enquadra o governo do Rio por supostas ilegalidades com recursos dos royalties de petróleo
Novo banco de sangue começa a funcionar no Hospital da Posse
Miracema esconde a verdade sobre os números da coleta de lixo
A rede de drogarias Pacheco está oferecendo, no varejo, em seu site, pelo menos dois itens de medicamentos com preços mais baixos que os registrados na licitação feita pela Prefeitura para compra no atacado

A rede Pacheco de Drogarias estava oferecendo ontem (18) em seu site oficial o medicamento Aglucose 50mg ao preço de R$ 25,01 a embalagem com 30 unidades, exatos R$ 0,83 por comprimido, isso no varejo, mas o remédio – usado por pacientes com diabetes –, pode estar saindo mais caro para a Prefeitura de Miracema, mesmo com a compra sendo feita no atacado. É o que sugere a Ata de Registros de Preços 021/2018, referente a um processo licitatório do qual participaram quatro empresas. No documento consta que o município estaria disposto a pagar R$ 748,80 por 720 comprimidos, com o custo unitário de R$ 1,04, uma diferença de R$ 0,21 em comparação com o varejo da Pacheco. A ata mostra os preços que teriam sido propostos pela Fácil Acesso Farmácia, que venceu um lote do pregão presencial para fornecer R$ 325.445,40 em medicamentos à Secretaria Municipal de Saúde e o Aglucose é o item 7 da licitação.

Contrato para gestão de unidades movimentou R$ 3,8 milhões

Um contrato firmado pelo ex-prefeito Mário Tricano (foto) para gestão do Programa Saúde da Família pode gerado grandes prejuízos ao município de Teresópolis. Pelo menos é nisso que revela o relatório de uma auditoria interna encaminhada para o núcleo do Ministério Público Federal na região. Com base no documento o MPF instaurou inquérito para apurar as possíveis irregularidades no contrato 026.07.2016, assinado com a Associação Brasileira de Beneficência Comunitária (ABBC). A Secretaria Municipal de Controle Interno constatou gastos no total de R$ 3,8 milhões "com ocorrência de ilícito contra a ordem tributária e atos de improbidade administrativa".

Proposta é acabar com a lotação de agentes fora das instituições de segurança

Discutindo internamente no ambiente dos gabinetes da Assembleia Legislativa, um projeto de lei proibindo a cessão de policiais civis, militares, agentes penitenciários e bombeiros para quaisquer órgãos públicos diferentes dos postos de origem está ganhando força na Casa. Segundo um parlamentar revelou na noite de hoje ao elizeupires.com, a proposta já contaria com apoio de 57 dos 70 deputados, numero de assinaturas mais que suficiente para a aprovação.

Palestras acontecerão nos dias 15, 17, 22 e 24 de maio, das 10h às 12h

O advogado Marcio Alvin (foto) estará entre os especialistas em direito eleitoral que levarão seus conhecimentos sobre a matéria aos interessados no seminário que vai acontecer em maio na sede da OAB do Rio de Janeiro. O evento será aberto no dia 15 pelo procurador de Justiça Marcos Ramayana, que vai falar sobre o tema 'Propaganda eleitoral  - condutas lícitas'. No dia 17 o coordenador de contas eleitorais e partidárias do TER-RJ, Elídio de Souza Freire Junior vai expor sobre 'Gastos e Arrecadação'. Marcio falará sobre 'Contencioso eleitoral' no dia 22 e no dia 25 será a vez do advogado Eduardo Damian, presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB-RJ, com explicações sobre a 'Registros e inelegibilidades'. A taxa de inscrição é de R$ 250 e os interessados podem reservar suas vagas pelo telefone (21) 272-2097 ou pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..

Josias Quintal foi condenado em março de 2017

Os prefeitos de Aperibé e Laje do Muriaé, Flávio Berriel e Rivelino Bueno não são os únicos governantes do Noroeste Fluminense que tiveram os mandatos cassados e aguardam a decisão final para deixarem a cadeira, sendo substituídos por sucessores a serem escolhidos em pleito suplementar. Reeleito em 2016, o prefeito de Santo Antonio de Pádua, Josias Quintal (foto) também não está seguro no mandato e se uma decisão da juíza eleitoral Cristina Sodré - proferida em março de 2017 - for mantida ele e o vice Carlos Roberto Alves serão  apeados dos mandatos. Em fase de recurso, o processo sequer é comentado na cidade, mas ao contrário do que membros do governo chegam a dizer, a ação continua tramitando.