População de Macaé vai pagar a conta da Odebrecht
Belford Roxo não tem mais desculpa para calote em professores
Cooperativa não vai mais atuar em Mesquita
Quem fornece as notas, prefeito?
Ficha suja liberada em Saquarema

Funcionários efetivos ficaram no “ora veja” em dezembro

Foi pago nesta sexta-feira, décimo dia útil do mês, o salário de dezembro dos servidores efetivos do município de Guapimirim. Os 1.040 funcionários concursados haviam ficado de fora da folha enviada ao banco na última semana da gestão do prefeito Marcos Aurélio Dias, que optou por pagar aos ocupantes de cargos comissionados, a si próprio e ao ex-vice-prefeito, além de quitar faturas de alguns fornecedores e prestadores de serviços, escolhendo empresas mais chegadas ao governo. Para o prefeito Jocelito Pereira de Oliveira, o Zelito Tringuelê (foto), não se pode sacrificar a categoria.  “Não se pode brincar com a vida dos servidores. Conversei com muitos deles e sei o quanto isso mexe, inclusive, com a motivação dos nossos funcionários. Vamos fazer de tudo para pagar os funcionários em dia. Assumimos uma Prefeitura com muitos problemas estruturais e financeiros. Neste momento, estamos arrumando a casa e reorganizando as contas. São grandes os desafios, mas juntos vamos superá-las”, disse.

Prefeito de Itaguaí decreta calamidade financeira por dívida de R$ 235 milhões, mas sanciona aumento de R$ 5 mil para os secretários de seu governo

O município de Itaguaí está atolado em dívidas, devendo até o salário dos servidores. Mesmo assim o prefeito Carlo Busatto Junior, o Charlinho (foto), sancionou lei concedendo um generoso aumento de salário aos membros do primeiro escalão de seu governo, que passarão a receber agora R$ 20 mil por mês, R$ 5 mil a mais que os secretários da gestão anterior recebiam. O aumento foi aprovado no final do ano passado pela Câmara de Vereadores, mas poderia ter sido vetado pelo prefeito, que para fazê-lo precisaria apenas deixar de sancionar o projeto votado pelos membros do Poder Legislativo. A sanção da lei do aumento foi assinada um dia antes de Charlinho ter decretado “estado de calamidade financeira” pelo fato de o município estar sem dinheiro para honrar os compromissos e por a máquina pública para funcionar.

Prefeita teria encomendado revogação de lei para beneficiar marido

Enquadrado pela Lei da Ficha Limpa o ex-prefeito Antonio Peres (foto) teve a candidatura barrada pela Justiça Eleitoral, mas não terá nenhum problema para assumir um cargo no primeiro escalão do governo de sua mulher, a prefeita Manoela Ramos de Souza Gomes Alves (PTN). É que a pedido dela a Câmara de Vereadores aprovou em sessão extraordinária a revogação de uma lei municipal que vedava a nomeação de pessoas inelegíveis para cargos de confiança. Dos 11 membros da Casa nove foram favoráveis, dando acesso livre aos chamados “fichas sujas” ao poder. Com a medida Peres poderá ser nomeado a qualquer momento para uma super secretaria. Mesmo sem uma portaria ele já foi visto várias vezes em um gabinete da sede do governo recebendo políticos e empresários, segundo servidores, “se comportando como o verdadeiro manda-chuva”.

O Parque da Cidade está praticamente destruído e o descaso não poupou nem os pontos turísticos

A cidade foi atingida por um fuçarão chamado má gestão

A situação encontrada no município de Rio das Ostras pelo novo governo mostra muito bem que dinheiro não é tudo numa administração. A gestão anterior que teve R$ 2,6 bilhões para administrar uma cidade considerada pequena perto de municípios como São Gonçalo, Nova Iguaçu e Duque de Caxias, onde, proporcionalmente falando, os recursos financeiros são bem menores diante de universos populacionais de mais de um milhão de habitantes, nada acrescentou e ainda deixou deteriorar o que já existia. A má administração afetou todos os setores e feriu gravemente a rede de Saúde. O Centro de Reabilitação (foto), por exemplo, está em estado precário por conta da falta de manutenção.

Jocelito Pereira anunciou o decreto de calamidade financeira em reunião com os secretários (Foto:Divulgação/PMG)

Saldo de dezembro e mais repasse de janeiro cobrem dois meses


A Prefeitura de Guapimirim só não pagará em dia os professores da rede municipal de ensino se não quiser. Dados aos quais o elizeupires.com teve acesso mostram que teria ficado um saldo de pouco mais de R$ 3 milhões do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação referente aos repasses creditados durante o exercício de 2016, que passaram de R$ 25 milhões, sem contar uma sobra de R$ 1.622.641,52 de 2015 acrescida à receita do ano passado. O prefeito Jocelito Pereira de Oliveira, o Zelito Tringuelê (PDT) anunciou para os próximos dias a quitação do mês de dezembro para toda a categoria, mas, apesar da crise financeira ele não deverá ter problemas com os vencimentos dentro de sua gestão, pelo menos em relação aos servidores da Educação, que contam com recursos específicos para este fim, os créditos do Fundeb.