Microempresa, grande negócio em Magé: firma aberta em junho do ano passado já recebeu R$ 3,2 milhões da Prefeitura
TCE aponta superfaturamento de 700% em Arraial do Cabo
Emergência ilegal e superfaturada em Japeri
Orquestra Sinfônica Brasileira vai se apresentar em Paracambi
Empresa aberta 11 dias após a posse do prefeito ganha novo contrato em Japeri e vai faturar mais de R$ 3 milhões fornecendo merenda

Ex-presidente da Câmara de Casimiro de Abreu foi denunciado por compra de votos

Preso desde outubro do ano passado por envolvimento em um esquema de apropriação indevida de parte da remuneração de cinco servidores nomeados em cargos de confiança e em função gratificada, entre 2013 e 2015, na Câmara de Vereadores de Casimiro de Abreu, o ex-presidente da Casa, Alessandro Macabu de Araújo, o Pezão (foto), foi condenado a um ano e três meses de detenção em outro processo, esse por corrupção eleitoral. Ele foi denunciado por oferecer materiais de construção e pagamento dos custos com carteira de habilitação e contas de água em troca de votos durante a campanha de 2016.

Prefeito de Nova Iguaçu diz que vai cortar do governo quem apoiar candidatura de Luizinho

Embora esteja mal das pernas e enfrentando críticas de todos os lados, o prefeito de Nova Iguaçu, Rogério Lisboa (foto), resolveu enquadrar os vereadores. De dois em dois os chamou para uma conversa e com todo jeito de menino mimado e pirracento mandou essa: "Vou cortar tudo que vocês tiverem no governo se optarem por apoiar o Luizinho", como é mais conhecido na Baixada Fluminense o ex-secretário estadual de Saúde Luiz Antonio Teixeira Júnior, pré-candidato a deputado federal pelo PP. Há pouco um membro da Câmara confirmou a conversa e afirmou que o prefeito deu quatro opções de políticos para eles apoiarem: Rodrigo Maia, Julio Lopes, Juninho do Pneu (presidente do Legislativo) e, pasmem, Nelson Bornier. Há quem diga que, devido ao jeito Rogério Lisboa de governar, os sugeridos estão morrendo de medo de perderem votos depois dessa listinha sugerida pelo prefeito. 

Ele foi denunciado por fazer nomeações ilegais em benefício de candidatura

O vereador Carlos José de Freitas Pereira, o Casé, presidente da Câmara de Vereadores de Laje do Muriaé – pequena cidade do interior fluminense – deverá assumir, nos próximos dias, interinamente, o cargo de prefeito. É que o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro rejeitou os embargos impetrados pelo prefeito Rivelino Bueno (foto) e o vice, Marcos Francisco, que tiveram os mandatos cassados. No dia 16 de abril o TRE-RJ havia julgado e rejeitado por unanimidade recurso no qual eles tentavam derrubar sentença do juízo da 73ª Zona Eleitoral e hoje (16) foi publicada uma nova decisão, essa com a rejeição dos embargos, a partir do voto da desembargadora Cristina Serra Feijó.

Tribunal apontou financeiro de R$ 6.110.052,83 

O prefeito Rodrigo Neves (foto) teve sua prestação de contas referente ao exercício de 2016 reprovada pelo Tribunal de Contas do Estado. O parecer prévio contrário foi relatado pela conselheira Marianna Montebello Willeman, mas ela apontou como atenuante o de R$ 121.331.226,06 herdado da gestão anterior e o fato de Neves ter reduzido o rombo  em 94,97%, chegando a R$ 6.110.052,83. Entre as irregularidades apontadas estão o déficit financeiro de pouco mais de R$ 6 milhões; realização de despesas no valor de R$ 33.491.353,38 sem cobertura orçamentária e "assunção de obrigação de despesa que não possa ser cumprida integralmente dentro do mandato". O processo agora vai para análise da Câmara de Vereadores e se o parecer for mantido o prefeito poderá ficar inelegível por até oito anos.

Em respeito aos leitores que nos acompanham nas cidades de Aperibé, Bom Jesus de Itabapoana, Cambuci, Italva, Itaocara, Itaperuna, Laje do Muriaé, Miracema, Natividade, Santo Antonio de Pádua, São José de Ubá e Varre-Sai,  informamos que o elizeupires.com não tem vínculo ou contrato de representação com nenhum portal de conteúdo, blogs ou órgãos impressos baseados nesses municípios. Esclarecemos que a colunas assinadas pelo Elizeu Pires só são publicadas em veículos com os quais existam contratos. O máximo que pode ocorrer é a reprodução de matérias do elizeupires.com, desde que mencionado o site como fonte e não a veiculação dos textos como se produzidos exclusivamente para o espaço que o estiver replicando.