Professores trabalham sem garantia de salário em Guapimirim
Posse dos concursados de Rio das Ostras não está descartada
TCE diz que concurso da Câmara de Belford Roxo não existiu
Contratos irregulares prejudicam trabalhadores em Mesquita
Câmara omissa deixa prefeito livre para as "emergências"

Chamadas serão de acordo com a realidade administrativa de cada setor

Os candidatos classificados dentro do número de vagas oferecidas no concurso público realizado pela Prefeitura de Paracambi no ano passado já podem preparar a documentação. É que a prefeita Lucimar Ferreira (foto) anunciou ontem que fazer as convocações dos aprovados, fazendo as chamadas de forma gradativa, segundo ela, “de acordo com a capacidade administrativa”. Lucimar disse ainda que vai ampliar a validade do processo seletivo por mais dois anos, exatamente para não prejudicar o organograma, embora o prazo do certame só expire em 2017.

Moises Boechat (esquerda) nega que haja irregularidades e que tivesse se recusado a receber o lixo coletado pela Prefeitura de Belford Roxo, mas o relatório é amplo e mostra pelo menos 12 pontos negativos (Foto:Arquivo/março de 2012)

Empresa que explora o espaço tem contrato anulado depois de notificada pela Secretaria do Meio Ambiente que apontou várias irregularidades no acondicionamento do lixo

Rogério Lisboa ignora até os que trabalharam no mês de janeiro

Os servidores efetivos da Prefeitura de Nova Iguaçu estão recebendo nesta terça-feira o salário do mês de março e a segunda parcela do décimo terceiro. A administração municipal promete quitar integralmente o vencimento de novembro para aposentados e pensionistas no dia 3 de abril e agendou para o dia 15 de abril a primeira parcela deste salário aos funcionários ativos, que em 15 de maio receberiam a segunda. O que o prefeito Rogério Lisboa ainda não decidiu é sobre os mais de dois mil trabalhadores contratados, que têm direito a quatro meses de salários em atraso e ao abono de natal. Segundo estes trabalhadores ninguém na Prefeitura os recebem para tratar sobre o assunto e até mesmo os que o prefeito manteve trabalhando durante o mês de janeiro e os exonerou depois, receberam alguma coisa até agora e a única coisa que ouvem é que devem cobrar os salários do ex-prefeito Nelson Bornier, ignorando que a dívida é da gestão e não da pessoa física. Entretanto, do dia 1º de janeiro até hoje Lisboa já tirou dos cofres da municipalidade R$ 16,7 milhões para pagar a fornecedores e prestadores de serviços com contas a receber geradas na gestão anterior, o que significa dizer que quando a cobrança é feita por trabalhadores o problema é da gestão anterior, mas quando se trata de empresas a solução é imediata, com o pagamento das faturas sendo feito imediatamente.

O lixão clandestino agora interditado já funcionava antes de a autorização ter sido publicada pela Prefeitura

Mas a autoridade ambiental só agiu depois do noticiário

O aterro sanitário clandestino aberto as pressas pela Prefeitura de Belford Roxo era de pleno conhecimento do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), que havia sido alertado sobre o crime ambiental logo depois que o secretário municipal do Meio Ambiente, Flávio Francisco Gonçalves assinou ato oficial autorizando a empresa Força Ambiental - contratada sem licitação pela Prefeitura por - R$ 13,9 milhões a descartar no local o lixo coletado na cidade. Aliás, o lixão já vinha funcionando antes mesmo de a autorização ser publicada no diário oficial, o que aconteceu no dia 25 de fevereiro. O lixão foi interditado na última segunda-feira e isto só ocorreu por causa da atuação da imprensa, que foi acionada por moradores da localidade conhecida como Recantus, onde o “aterro” foi criado pela Secretaria de Serviços Públicos, comandada pelo ex-vereador Luiz Carlos Ferreira Correia, o Luiz Carlos do Caminhão.

Prefeitura de Porto Real continua mantendo as contas em segredo

Desde que assumiu o governo - que aconteceu há exatos 73 dias -, o prefeito Jorge Serfiotis (foto) vem fazendo segredo dos valores arrecadados e pagos até agora, mantendo a mesma conduta de sua antecessora, a ex-prefeita Maria Aparecida Rocha, a Cida, que deixou o cargo levando nota zero em transparência. Quem fez hoje uma busca no Portal da Transparência da Prefeitura de Porto Real não achou, por exemplo, quais empresas participaram da licitação realizada no dia 24 de fevereiro, “para prestação de serviços continuados, objetivando a estruturação e suporte nas áreas de Administração, Planejamento, Transporte e Infraestrutura, exercendo atividades de manutenção, asseio, limpeza e conservação, transporte e apoio administrativo nas unidades de saúde, principalmente no Hospital Municipal São Francisco de Assis”, quem venceu o certame nem ficou sabendo quanto será pago por isto. Também não encontrou contratos firmados pela atual gestão e o único edital de licitação publicado é o relativo ao pregão marcado para quinta-feira (16), através do qual o município vai contratar, pelo preço máximo de R$ 538.377,60, o serviço de limpeza da rede coletora de águas pluviais.