População de Macaé vai pagar a conta da Odebrecht
Belford Roxo não tem mais desculpa para calote em professores
Cooperativa não vai mais atuar em Mesquita
Quem fornece as notas, prefeito?
Ficha suja liberada em Saquarema
O teto do pronto socorro municipal foi deixado nesta situação pela administração anterior

Gestão anterior deixou estragar R$ 5 milhões em remédios, equipamentos e insumos

Bonito por fora, horrível por dentro. Está é a realidade do Hospital Municipal de Rio das Ostras, onde faltou de tudo até agora. Inclusive responsabilidade com a coisa pública, o que pode ser constatado na quantidade de material que terá de ser jogado fora, isto sem falar no grande volume de medicamentos com data de validade vencida encontrado na Secretaria de Saúde. A nova gestão encontrou camas hospitalares sem colchão e danificadas, mesas cirúrgicas abandonadas, tomógrafo, endoscópio e videolaparoscópio quebrados, sistema de refrigeração e réguas de oxigênio sem manutenção e falta de insumos em geral. Também foram encontradas 70 caixas lacradas de filmes de mamografias vencidos, material odontológico, 30 bobinas de papel para esterilização e 100 galões de 20 litros de revelador e fixador vencidos, um prejuízo de R$ 5 milhões segundo avalia o secretário Marcelino Dias Borba.

Marido da prefeita estaria despachando mesmo sem ser secretário

Barrado no baile eleitoral pela Lei da Ficha Limpa, o ex-prefeito Antonio Peres Alves (foto), ficou de fora da disputa, mas não do poder. Embora não esteja nomeado para o secretariado ele tem sido visto na sede da Prefeitura de Saquarema, despachando e se reunindo com políticos e empresários. Peres é marido da prefeita Manoela Ramos de Souza Gomes Alves, lançada candidata em substituição a ele, que teve o registro impugnado pela Justiça Eleitoral. De acordo com informações de servidores, Peres tem comparecido com freqüência à sede do governo e até comandado reuniões. Segundo alguns vereadores, o município tem agora dois governantes. “Um de direito e outro de fato”, emendam.

Algumas secretarias ganharão novos titulares

O prefeito de Magé, Rafael Santos de Souza, o Rafael Tubarão (foto), vai anunciar nos próximos dias várias mudanças no governo, que passará a ter nova composição. O atual secretário de Governo, por exemplo, vai assumir a Secretaria de Saúde. A escolha de Miguelangelo Peligrino - que exerceu mandato de vereador até abril do ano passado e se licenciou do mandato para exercer cargo no Poder Executivo - já está definida, bem como a do segundo suplente do PMDB, o ex-vereador Amisterdam Santos Viana, que passará a comandar a Secretaria de Transportes. Miguelzinho, como Miguelangelo é mais conhecido, já vinha colaborando com o secretário Antonio Morado na reestruturação da rede de Saúde.

Vários veículos foram encontrados sucateados, apesar dos gastos com peças e serviços (Foto: Divulgação/PMG)

Prefeito fez licitação de R$ 2,9 milhões para consertar veículos, mas só deixou sucatas

O ex-prefeito de Marcos Aurélio Dias (foto) foi embora para casa, mas ainda vai ter muito o que explicar. O estado de terra arrasada verificado em Guapimirim pela equipe do novo governo sugere muito mais que má gestão, aponta para um misto de irresponsabilidade e descaso com a coisa pública por parte de uma administração que é apontada como a pior da história do município. Durante uma vistoria em um dos galpões usados pela Prefeitura - além de muita sujeira - foram encontrados vários veículos sucateados, um contra-senso, já que entre janeiro de 2013 e junho de 2016 a administração municipal teria gastado pelo menos de R$ 3,5 milhões com aquisição de peças e serviços de reparos em veículos de sua frota própria. 

Angra dos Reis, Cabo Frio, Nova Iguaçu, Petrópolis e Rio das Ostras estão entre as prefeituras mais endividada no território fluminense

O rombo nas finanças do município de Angra dos Reis é de R$ 374 milhões e pode ficar maior se a Prefeitura não tiver condições de cumprir o compromisso de começar a pagar, dentro de um ano, as 60 parcelas de um empréstimo feito para quitar três meses de salários atrasados e o 13º do funcionalismo. O prefeito Fernando Jordão (foto) recorreu à Justiça para que o fundo de previdência dos servidores liberasse seus recursos para o pagamento da folha, uma solução que pode gerar ainda mais problemas lá na frente. “O dinheiro da previdência municipal é dos servidores para sustentá-los na inatividade e não do governo. Se o empréstimo não for pago a instituição fica sem ter como honrar com os aposentados e pensionistas no futuro e aí a conta vai ter de ser paga pela Prefeitura, que continuará deficitária”, analisa o professor Henrique Bréssia, especialista em administração pública.