Professores trabalham sem garantia de salário em Guapimirim
Posse dos concursados de Rio das Ostras não está descartada
TCE diz que concurso da Câmara de Belford Roxo não existiu
Contratos irregulares prejudicam trabalhadores em Mesquita
Câmara omissa deixa prefeito livre para as "emergências"

Prefeitura abriu processo seletivo simples na Educação e poderá acontecer outro na Saúde

Amanhã a Secretaria de Educação de Seropédica deverá divulgar o resultado final do processo seletivo simplificado no qual foram oferecidas 140 vagas para professor e pessoal de apoio, mas seja ele qual for, deverá parar na Justiça. Primeiro pelo fato de um concurso publico realizado para o setor em 2013 ainda está em vigor e segundo por que a listagem parcial publicada no último dia 10 levantou suspeita de que a seleção ocorrido sido apenas para atender vereadores do grupo de apoio ao prefeito Anabal Barbosa de Souza (foto) e aos próprios interesses dele. A validade do concurso de 2013 expira no dia 9 de abril deste ano para os candidatos classificados para os cargos de fase única e em 4 de junho para os aprovados em funções da segunda fase, os cargos que exigem provas de títulos. Vários aprovados já estão buscando na Justiça a garantia do direito de ocupar os cargos que disputaram no certame de ampla concorrência.

Prefeito de Belford Roxo esconde informações sobre receita e despesas

Com previsão de atingir uma receita de pouco mais de R$ 707 milhões este ano, o município de Belford Roxo, na Baixada Fluminense, já arrecadou cerca de R$ 150 milhões até agora, número estimado para o período de 1º de janeiro até o final do expediente de ontem. Só com os repasses constitucionais (entre eles Fundeb e FPM), foram creditados R$ 44,2 milhões nas contas da Prefeitura, além de cerca de R$ 15 milhões em outros repasses, como as verbas para o setor de saúde, por exemplo. O problema é saber onde, em que e como o prefeito Wagner dos Santos Carneiro, o Waguinho (foto) está aplicando os recursos, uma vez que as contas da administração municipal vêm sendo mantidas em segredo, contrariando o que determina a Lei da Transparência. A disposição do prefeito em cumprir a legislação é tão grande que nem o site oficial do município foi colocado no ar ainda, quanto mais os números referentes à receita, contratos, relação de fornecedores, prestadores de serviços e os valores pagos a eles.

Prefeito disse que pagaria até sexta-feira passada

Os servidores aposentados da Prefeitura de São João de Meriti e os pensionistas estão se sentindo enganados pelo prefeito João Ferreira Neto, o Dr. João (foto), que havia prometido. No último dia 6, a quitar o décimo terceiro e parte dos salários atrasados até a última sexta-feira, mas até o final do expediente desta segunda-feira (13), o dinheiro não havia caído na conta. Além do abono de natal, a Prefeitura está devendo os meses de agosto, setembro, outubro e novembro. Por conta da crise (o município perdeu quase 50% da receita), o prefeito prometeu fazer o pagamento em parcelas e propôs isso aos aposentados, mas nada se concretizou ainda. Ao todo a folha engloba 556 funcionários aposentados e 590 pensionistas, que estão vivendo dias de muitas dificuldades e incerteza.

Empresa que consta como participante única da licitação foi aberta dois meses antes da eleição

O carnaval já se foi há 13 dias e até hoje a Prefeitura de Guapimirim não informou quem realizou os eventos e quanto realmente a folia pesou nos cofres da municipalidade. O que se sabe é o que consta do processo administrativo 172/2017 relativo ao pregão aberto para contratar a empresa encarregada de montar toda a estrutura necessária e promover o carnaval, pelo valor global fixado em R$ 939.898,00. As únicas informações disponíveis no sistema do governo dão conta que os recursos seriam do Fundo Municipal de Turismo, que a proposta foi julgada no dia 16 de fevereiro - apenas oito dias antes da abertura - e só uma empresa teria participado, a Bizu Comunicação, que consta como aberta no dia 3 de agosto do ano passado, dois meses antes da eleição vencida pelo prefeito Jocelito Pereira de Oliveira, o Zelito Tringuelê.

Arrecadação teria somado R$ 700 mil e candidatos inscritos ficam no prejuízo

Anunciado para 2016 o concurso público lançado pela Câmara de Vereadores de Silva Jardim não aconteceu e está sendo visto como um “golpe” pelos candidatos que pagaram valores de R$ 65 e R$ 100 pela taxa de inscrição, pois até agora eles não foram informados sobre uma possível devolução do dinheiro arrecadado pelo Instituto Nacional Escola Superior da Administração Pública (Inesap), instituição contratada pela Casa para realizar o certame. Em seu site o Inesap informa que a responsabilidade pelo ressarcimento é da Câmara, porque o cancelamento se deu por decisão única do presidente da Casa, o vereador Roni Luiz Pereira (foto), que alegou “descumprimento de disposições contratuais e legais atinentes à regularidade e lisura do certame, as quais poderiam gerar futura anulação”.