Prefeitura de Japeri esconde contratos com valores que somam mais de R$ 40 milhões, fora os termos aditivos. Por que, hein?
'Emergência' do lixo pode derrubar o prefeito de Itaperuna
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação das escolas pelo Ministério da Educação
Nova Iguaçu na ''mira'' de seis
Que peixinho caro, prefeito!

Estimativa é de que ainda estão mantidos 30% dos nomeados antigos

 

O ex-presidente da Jorge Picciani está cumprindo prisão preventiva em casa e seu parceiro de todos os tempos e também da Operação Cadeia Velha, Paulo Melo, está na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica. A situação dos dois não é nada boa, mas o mesmo não se pode dizer de alguns de seus aliados, pois muitos deles ainda estão nomeados na Assembleia Legislativa, embora Picciani e Melo não tenham mais mandatos. A estimativa é de que apenas 70% dos nomeados ligados a eles foram exonerados, restando uns 30% com salários superiores aos da maioria esmagadora dos trabalhadores da iniciativa privada e dos servidores públicos. O que se comenta nos corredores do Palácio Tiradentes é que – mesmo o comando da Casa tendo saído da interinidade – ser ou ter sido ligado aos dois ex-caciques do MDB ainda estaria valendo muito por lá, principalmente para um seleto grupo de privilegiados.

Escolas de todo o país podem ser avaliadas, a partir deste ano, quanto aos conflitos que ocorrem dentro dos centros de ensino, à segurança e a situações de intimidação entre alunos. Os critérios estão previstos no Documento de Referência do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), aplicado nacionalmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia ligada ao Ministério da Educação (MEC). O documento foi elaborado em dezembro de 2018.

"O respeito à lei vai fortalecer, e não enfraquecer, a Operação Lava Jato"

 

(Editorial deste domingo do Estadão)

A decisão do plenário do Supremo Tribunal Federal que, por 6 a 5, manteve no âmbito da Justiça Eleitoral o julgamento de casos de corrupção e lavagem de dinheiro se estiverem relacionados a delitos eleitorais, como caixa 2, apenas reafirmou a jurisprudência daquela Corte. Segundo esclareceu o voto majoritário, o artigo 109, inciso IV, da Constituição não dá margem a dúvidas, pois estabelece a competência da Justiça Federal para avaliar processos relativos a crimes contra a União, "excluídas as contravenções e ressalvada a competência da Justiça Militar e da Justiça Eleitoral".

O ex-prefeito Adenildo Braulino dos Santos, o Dennis Dauttman, foi denunciado à Justiça pela 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva (Núcleo Duque de Caxias). Ele vai responder por ato de improbidade administrativa por ter, em 2016, último ano de seu mandato, repassado dinheiro a mais para a Câmara de Vereadores. O excedente, em valores atualizados, soma R$ 1.864.335,93. O vereador Marco Aurélio de Almeida Gandra, ex-presidente da Casa, também é réu no processo.

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) quer que a Vale seja obrigada a garantir o valor mínimo de R$ 50 bilhões para reparação ambiental na região de Brumadinho, em Minas Gerais, atingida pelo rompimento de uma barragem de rejeitos no dia 25 de janeiro deste ano. O pedido foi encaminhado à 1ª Vara Cível da cidade. Entre medidas cautelares e definitivas, o MPMG pede que a mineradora mantenha, em fundo privado próprio, capital de giro nunca inferior a 100% do valor a ser usado, nos 12 meses subsequentes, nas despesas para custeio da elaboração e execução de planos, programas, ações e medidas necessários.