População de Macaé vai pagar a conta da Odebrecht
Belford Roxo não tem mais desculpa para calote em professores
Cooperativa não vai mais atuar em Mesquita
Quem fornece as notas, prefeito?
Ficha suja liberada em Saquarema
Carlos Augusto explicou as razões que o levaram a decretar calamidade financeira (Fotos: Divulgação/PMRO)

Médico é coisa rara na rede pública do município, mas folha de pagamento do setor passa de R$ 92 milhões por ano. Nova gestão herda calamidade e dívida de R$ 200 milhões

Durante a gestão do prefeito Alcebíades Sabino a rede de atendimento Rio das Ostras entrou em colapso e foi parar na UTI. Quem buscou socorro no hospital público da cidade cansou de ouvir um “não tem médico” e quem precisou de um desses Captopril da vida - remédio para controlar a pressão arterial - muitas vezes foi informado de que estava faltando medicamento na farmácia básica, um contra-senso diante dos cerca de R$ 600 milhões gastos pela Secretaria de Saúde nos últimos quatro anos, R$ 92 milhões anuais só com a folha de pagamento do setor. Se elevados para uma rede que não funciona, os números verificados pelo novo governo mostram que mais que problemas financeiros, o município conheceu com o ex-prefeito uma crise de gestão, com pessoal demais, gente de menos trabalhando e materiais médicos jogados fora: numa primeira avaliação a equipe que vai comandar a rede de agora em diante encontrou R$ 5 milhões em remédios, insumos e próteses vencidas, cerca de R$ 1 milhão só em remédios fora do período de validade.

Ex-prefeito deixou o cargo e suposta fraude em pagamento de pessoal ficou esquecida

Considerado o pior gestor da história de Guapimirim, Marcos Aurélio Dias deixou o cargo de prefeito no dia 31 de dezembro sem explicar porque o município, em sua administração, pagava até quatro vezes mais caro por servidores terceirizados, a razão de ter deixado alguns secretários mandarem mais do que ele e o fato de nunca ter tentado esclarecer ou tocado num assunto que correu solto nos corredores da Prefeitura nos dois primeiros anos de seu governo: uma suposta diferença de R$ 400 mil na folha. Este caso teria sido abafado e o possível responsável "aconselhado" a se demitir com a promessa de que receberia uma “indenização” de R$ 150 mil, que teria sido paga em seis parcelas de R$ 25 mil por um amigo do governo. Se o tempo de Marcos Aurélio no poder já passou, as tempestades não. A julgar pelo volume de documentos armazenados por pessoas descontentes, o futuro do ex-prefeito está sujeito a raios, relâmpagos e trovoadas.

Dinheiro foi creditado nos dias 3 e 4 de janeiro

Em vez de determinar logo o pagamento do mês de novembro aos profissionais da rede municipal de Educação, o prefeito de Belford Roxo, Wagner Carneiro dos Santos, o Waguinho (PMDB), resolveu atrasar mais um pouco. O novo governo anunciou ontem que primeiro vai fazer um recadastramento dos funcionários e que só depois se pronunciaria sobre o pagamento e, em reunião com representantes da categoria informou que a nova gestão vai programar a quitação dos salários deste e dos próximos anos para não haver mais atraso. Entretanto, não se falou nada sobre o que foi feito com o total de R$ 12.023.848,59 repassado no mês de dezembro pelo do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, que já logo nos primeiros dias deste ano creditou mais R$ 1.152.349,48 nos cofres da municipalidade. De acordo com o Demonstrativo de Distribuição de Recursos do Banco do Brasil, o Fundeb repassou ao município R$ 317.626,25 no dia 3 de janeiro e mais R$ 834.723,23 durante o dia de ontem (4).

Novo prefeito começa repetindo erros da gestão anterior e vai além: cria mais secretarias

Desde que Dennis Dauttmam assumiu o governo que o município de Belford Roxo passou a gastar mais do que arrecada e o resultado não poderia ser outro: salários atrasados, saúde doente, educação precária, uma cidade imunda e a administração emperrada. Mas se alguém pensou que com a posse do novo prefeito as coisas mudariam logo com o governo que está se iniciando, é melhor não esperar muito. É que apesar de toda pirotecnia com mutirão de limpeza e a fanfarronice em unidades de saúde, o coração da Prefeitura ainda não começou a ser tratado. Muito pelo contrário. Está sendo ainda mais forçado, pois ao invés de cortar despesas para equilibrar as finanças, o prefeito Wagner dos Santos Carneiro, o Waguinho (foto), decidiu aumentar o tamanho dá já gigantesca máquina administrativa, que passa de 28 para 35 secretarias, além de novos cargos e funções gratificadas em quantidades que ainda não estão nada claras.

Pagamentos feitos a uma farmácia sediada em Itaocara somem do sistema

Localizada no centro de Itaocara, cidade a 240 quilômetros de Silva Jardim, a Farmácia Amaral de Itaocara recebeu, entre janeiro de 2013 e agosto do ano passado, o total de R$ 3.738.064,30 dos cofres públicos silvajardinenses pelo fornecimento de remédios não existentes na rede municipal de Saúde e parte da aquisição foi feita sem licitação. Processos abertos para compra de medicamentos junto a algumas empresas estão sob investigação e o que se questiona na cidade é a origem dos remédios pelos quais a Prefeitura pagou à farmácia de Itaocara, se pelo que já foi apurado o fornecimento seria feito pela Drogaria Kanaã (foto), estabelecida na Rua Luiz Gomes, na cidade governada pelo prefeito Anderson Alexandre, que é dono de uma rede de drogarias e mantém no município de Rio Bonito sua base central. Os valores pagos pela compra de medicamentos desde o início da gestão de Anderson passam de R$ 16 milhões (números até 31 de agosto de 2016), mas os registros referentes a quitação de faturas da Farmácia Amaral de Itaocara não foram mais encontrados ontem no sistema da Prefeitura.