TRE suspende demissões em Rio das Ostras
TRE desliga 'aparelho' que mantinha o prefeito de Aperibé 'vivo'
Saques do PIS/Pasep colocarão R$ 34,3 bilhões na economia
Números sugerem que em Casimiro de Abreu a crise é de gestão
Mangaratiba vai ter nova eleição para prefeito

Se não liberar para os mageenses haverá vias alternativas

A Concessionária Rio Teresópolis (CRT), que admi- nistra o trecho da BR-116 entre Duque de Caxias, na Baixada Fluminense e a cidade mineira de Além Paraíba, recebeu um ultimato da Prefeitura de Magé. Se até o dia 31 de dezembro a empresa não decidir por isentar do pagamento do pedágio os carros emplacados no município, as vias secundárias que possibilitam o desvio das praças de cobrança, serão me- lhoradas, recebendo asfalto e sinalização visual. “Estamos querendo beneficiar só os mageenses. Se a CRT optar pelo bom senso vai atender a essa reivindicação. Se não atender, pior para ela, porque aí as vias estarão abertas para todos os carros”, afirmou ontem à noite ao elizeupires.com o prefeito Nestor Vidal.

(Uma reflexão de domingo)

Toda rua tem uma deusa. Pode não ser a mais bonita do bairro, mas com certeza, daquele nosso universo particular - a rua onde crescemos em meio aos sonhos e uma realidade de brincadeiras -, é a mais bela. A deusa da minha rua tinha nome de santa, Clara. Estudávamos juntos, brincávamos juntos e juntos também sonhávamos, mas o tempo que possibilita a realização de sonhos é o mesmo que separa pessoas, fazendo-as dobrar outras esquinas e desaparecerem vida a fora... Clara tinha um lindo par de olhos azuis e cabelos loiros, naturalmente platinados. Era um sonho e foi, por alguns bons anos, uma gostosa realidade em minha vida.

Tinha gente ganhando R$ 60 mil mensais

Por determinação do Tribunal de Contas do Estado a administração municipal de Macaé fez uma devassa na folha de pagamentos e descobriu que o dinheiro do contribuinte estava sustentando uma casta com salários que chegavam a R$ 60 mil. O grupo de privilegiados, cujos nomes estão sendo mantidos sob sigilo, é formado de políticos, ex-secretários de governo e funcionários intimamente ligados a ex-gestores. A denúncia sobre os “Marajás de Macaé”, foi publicada no dia 28 de abril deste ano pelo elizeupires.com, dando conta de recebimentos de até R$ 30 mil por mês, mas a auditoria comprovou que havia salários ainda maiores. Todos os supersalários foram cortados e já na folha deste mês o município passa a economizar cerca de R$ 3,5 milhões ao mês, um total de R$ 42 milhões por ano.

E na hora de pagar emite “cheque voador”

Apontado pelos concorrentes e até mesmo por alguns membros do governo como “dono da cidade”, por ficar com os melhores negócios oferecidos pela Prefeitura de Guapimirim, escolhendo sempre os contratos mais rentáveis, um empresário ligado à gestão anterior inventou no governo do prefeito Marcos Aurélio Dias a “quarteirização dos serviços”. Ele repassa a execução do contrato para outra empresa, quando a usada por ele na licitação não tem condição de fazê-lo. Isso está gerando um complicador, pois ele estaria recebendo da Prefeitura, mas na hora de pagar a quem executou de fato o contrato, estaria emitindo cheques sem fundos. “Isso já está dando o que falar e o pior é que o prefeito sabe disso e continua fazendo o jogo desse empresário. O prefeito responde a quem o alerta sobre esse homem que ele é um grande parceiro e que fora ele quem mais contribuiu financeiramente para a sua campanha”, disse ontem uma fonte ligada ao governo.

Não ajuda em nada e ainda atrabalha

Definida desde setembro de 2011 - junto com a UPA 24 horas de Piabetá (já em fase de conclusão) e o Centro Vocacional Tecnológico de Magé (já em fun- cionamento) -, o CVT de Piabetá, que vai ser cons- truído na Rua Guarani, no terreno do Colégio Estadual Alfredo Balthazar da Silveira, era para estar em construção há três meses, mas a pedra fundamental só será lançada na próxima segunda feira, embora isso estivesse marcado para o dia 13 de agosto. O adiamento, segundo fonte da Secretaria Estadual de Ciências e Tecnologia, teria acontecido por conta de uma rusga política, com o suplente de deputado estadual, Ricardo Correa de Barros, o Ricardo da Karol (temporariamente no exercício de mandato), queren- do tirar proveito da situação. Segundo a fonte, o suplente queria que o lançamento o ocorresse em segredo, para que ninguém da Prefeitura aparecesse por lar. Como o elizeupires.com deu a notícia, ele teria articulado junto à secretaria, à época coman- dada pelo PSB, conseguindo o adiamento.