IBGE reforça relação entre saúde e saneamento básico
Firma novata estréia faturando alto em Nova Iguaçu
Novo presidente terá de garantir mais vagas no ensino superior
Câmara não se esforça para abrir a caixa-preta do governo em Paraíba do Sul: fica nos requerimentos solenemente ignorados pelo prefeito
Sem renovação: 75% dos deputados federais devem se reeleger

Prefeitura insistia em jogar lixo em local impróprio

 

Três meses após o fechamento de lixão clandestino no bairro Barrinha, em Paraíba do Sul, fiscais do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) voltaram ao município para mais uma operação semelhante, dessa vez em uma área próxima ao antigo matadouro da cidade. No local foi constatado que a própria Prefeitura vinha fazendo o descarte. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente já foi notificada e um inquérito policial deverá ser aberto para apurar as responsabilidades. A ação do Inea repercutiu no Poder Legislativo, onde os vereadores Mario Sergio Leal Cordeiro Tiago Martins Cardoso de Souza se manifestaram na tribuna, mas a administração municipal ainda não se pronunciou sobre o assunto.

"Esse discurso de ódio do candidato é que desencadeou essa atitude extremada"

Os advogados que representam o agressor Adélio Bispo de Oliveira (foto) sustentam que a agressão de seu cliente ao candidato Jair Bolsonaro foi um ato solitário, movido pelo que classificaram de “discurso de ódio” do próprio candidato. Quatro advogados acompanharam Adélio na audiência de instrução com a juíza Patrícia Alencar, na Justiça Federal, na tarde de ontem (7), que determinou a transferência do criminoso para um presídio federal. "Esse discurso de ódio do candidato é que desencadeou essa atitude extremada do nosso cliente", disse o advogado Zanone Manoel de Oliveira Júnior. Um dos motivos, segundo a defesa, foi a referência pejorativa aos negros quilombolas, já que seu cliente se identifica como negro.

 E presta homenagem ao Museu Nacional

 

Quem ama a sua história, conserva a sua memória! Foi com esse tema que os alunos da rede pública de ensino de Queimados, na Baixada Fluminense, contaram a história da cidade e de pessoas que foram importantes para a emancipação do município, no tradicional desfile cívico, realizado nesta sexta-feira (7), no Centro.  O evento organizado pela Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Educação, teve como objetivo comemorar os 196 anos de independência do Brasil. Mesmo com o dia ensolarado, os pais, responsáveis e pessoas apaixonadas pelo desfile cívico, saíram de suas casas e lotaram a Rua Guilherme Weinschenck, neste feriado, para apreciar a apresentação dos alunos da rede pública de ensino. Ao todo 30 escolas municipais, três creches públicas, membros da Guarda Municipal, Polícia Militar, alunos da Vila Olímpica e do Centro de Esporte e Lazer da Terceira Idade mostraram seu patriotismo e carregaram consigo a história de cada bairro que compõem a cidade.

Pesquisa diz que ele perderia para três candidatos no segundo turno e mostra empate técnico com o petista Fernando Haddad

 

O atentado ocorrido ontem, em Juiz de Fora (MG), com o candidato do PSL à Presidência da República não foi o único golpe sofrido por Jair Bolsonaro esta semana. Os cabeças de sua campanha estão às voltas com os números que mostram que ele perderia a disputa no segundo turno com Ciro Gomes, Geraldo Alckmin ou Marina Silva, revelando um empate técnico com o petista Fernando Haddad. Se os números da pesquisa do Ibope registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o protocolo BR‐05003/2018 são duros, o atentado fere, mas para Flávio Bolsonaro, o episódio contribui para eleger seu pai presidente logo no primeiro turno, o que sugere que a ação de um louco que vê os políticos de direita e a maçonaria como coisas do diabo, vai ser explorada ao máximo durante a campanha.

Mas ninguém perde o mandato agora

 

Ainda não vai ser dessa vez que o prefeito de Itaguaí, Carlo Busatto Junior, o Charlinho, vai deixar a cadeira. Ele teve o mandato cassado ontem pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) por maioria de votos, junto com o vice-prefeito, Abeilard Goulart de Souza Filho. A decisão foi tomada pelo fato de o prefeito ter sido condenado pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região a 14 anos de prisão, pelos crimes de fraude em licitação e corrupção passiva qualificada. A perda efetiva do mandato só acontecerá depois que o processo transitar em julgado.