População de Macaé vai pagar a conta da Odebrecht
Belford Roxo não tem mais desculpa para calote em professores
Cooperativa não vai mais atuar em Mesquita
Quem fornece as notas, prefeito?
Ficha suja liberada em Saquarema

Prefeito que deixou R$ 170 milhões em caixa agora depara com déficit de R$ 50 milhões

O município de Rio das Ostras não tem hoje em caixa dinheiro suficiente para cobrir a primeira folha de pagamento do ano e medidas de economicidade terão de ser tomadas para que o salário de janeiro possa ser pago sem atraso. Neste sentido um pacote de ações será anunciado na próxima quinta-feira pelo prefeito Carlos Augusto Balthazar (foto) em entrevista coletiva a imprensa. Embora os servidores estejam há três anos sem correção nos vencimentos, os gastos com pessoal foram elevados a R$ 285 milhões por ano pelo prefeito Alcebíades Sabino, que inchou a folha com cargos comissionados e concessão de gratificações para alguns nomeados. Em relação a esta conta há um rombo de R$ 50 milhões e o equilíbrio terá que ser encontrado nos próximos dias para que os funcionários e a população não venham ser sacrificados.

Pagamentos a empresas somavam R$ 5 milhões

Os salários atrasados dos servidores de São João de Meriti serão pagos em parcelas, mas a nova gestão ainda não sabe como fará isto nem se os vencimentos de dezembro serão pagos dentro do prazo legal ou se serão atrasados também. Um dos primeiros atos do prefeito João Ferreira Neto, o Dr. João, foi sustar oito cheques emitidos em favor de fornecedores pelo ex-prefeito Sandro Matos, no valor total de cerca de R$ 5 milhões. A Prefeitura está devendo os meses de outubro e novembro para todo o funcionalismo e o décimo terceiro também não foi pago, mas alguns servidores reclamam que não recebem desde setembro. Sobre o parcelamento a única coisa dita é que João Ferreira pretende negociar isto pessoalmente com os maiores interessados.

Ex-gestor ficou fora da cidade, mas não deixou de pagar a um grupo seleto de empresas

Tateando no escuro em um labirinto de problemas, o novo prefeito de Mesquita ainda não sabe as quantas andam as finanças do município, que nos dois últimos meses recebeu cerca R$ 26 milhões em repasses do Fundeb e do Fundo de Participação dos Municípios. Só no dia 30 de dezembro, por exemplo, entrou o total de R$ 3.615.664,49, uma parcela extra do FPM por conta da distribuição do valor arrecadado pela União com as multas sobre o total arrecadado com o programa de repatriação do dinheiro depositado no exterior por grandes investidores. Nesta terça-feira (3), até as 11h tinham entrado mais R$ 306.337,14 nas contas da Prefeitura. O prefeito Jorge Miranda (foto) havia dito ontem que desconhecia a situação financeira porque não tinha tido acesso aos dados da Secretaria de Fazenda por falta de internet.

Dono de lava-jato é secretário de Governo em Belford Roxo

A administração que vai “colocar Belford Roxo nos trilhos do desenvolvimento e mudar a história política do município” tem como um de seus componentes mais fortes e influentes o dono de um pequeno lava-jato (foto), localizado no bairro Santa Amélia e que se comporta com empresário de sucesso. Para comandar a Secretaria de Governo o prefeito Wagner dos Santos Carneiro, o Waguinho (PMDB), nomeou André Luiz Santana Leal, conhecido na cidade como “Boquinha”, que teria sido indicado pelo vice-prefeito eleito (não tomou posse), Márcio Canella, que comandará a pasta da Casa Civil, transformada em super secretaria para garantir plenos poderes a Canella. Márcio decidiu licenciar-se da Assembleia Legislativa para não perder o mandato de deputado. As informações é de que - apesar do seu pequeno negócio - Boquinha teria exercido grande influencia na campanha do novo prefeito.

Professores esperaram em vão até o último dia útil de 2016

Até às 18h da última sexta-feira os profissionais da rede municipal de ensino ainda acreditavam que receberiam os vencimentos de novembro. Sem o décimo terceiro, a categoria, a exemplo dos demais servidores do município de Belford Roxo, teve um Natal de mesa vazia, o que estimulou a solidariedade: cestas básicas foram preparadas com doações conseguidas por vários grupos para amenizar a situação no réveillon, o que não sensibilizou em nada ao prefeito Dennis Dauttmam (foto), que havia jurado que pagaria o mês de novembro no dia 29 de dezembro e não o fez. Ontem uma fonte ligada à gestão anterior revelou que o não pagamento pode ter sido resultado de um acordo velado para que o novo prefeito o fizesse logo nos primeiros dias do seu governo e se apresentasse como bonzinho para os professores. Lideranças da categoria já disseram que dificilmente o ano letivo será iniciado sem a garantia de que os salários sejam pagos em dia daqui para frente.