Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação das escolas pelo Ministério da Educação
Nova Iguaçu na ''mira'' de seis
Que peixinho caro, prefeito!
Mesmo tardia, legislação de proteção à mulher no Brasil é avançada
Búzios, uma viagem inesquecível

Emergência de araque sustenta contratações temporárias

Em qualquer lugar do Brasil os candidatos aprovados em concurso público, quando convocados a tomarem posse nos cargos, tem um prazo máximo de 30 dias para se apresentarem, serem submetidos a exames e começarem a trabalhar, mas em Macaé, município da região norte do estado do Rio de Janeiro, esse prazo não vem sendo observado. É que os aprovados no processo seletivo realizado em 2012 para preencher cargos de provimento efetivo nas unidades do Programa Saúde da Família (PSF), agora denominado Estratégia Saúde da Família (ESF), estão sendo preteridos por contratados temporários, com o prefeito Aluizio dos Santos Junior alegando o seguinte para fazer as contratações: “Considerando que o 1º edital de convocação do Concurso 002/2012 - ESF se encontra na etapa de apresentação de documentação e exames admissionais dos candidatos aprovados no referido concurso; resolve contratar temporariamente...”

Empresário teria ajudado extraoficialmente na campanha e recompensado com contrato

Ainda abalado com a operação de busca e apreensão realizada na Prefeitura pelo Ministério Público no dia 15 de abril, o prefeito de Silva Jardim, Anderson Alexandre (PTB), deverá passar ainda por mais dificuldades na próxima semana, quando o vereador Robson Azeredo pretende aprovar a convocação de empresários e membros do governo, com o objetivo de esclarecer denúncias de supostas irregularidades em pelo menos quatro contratos firmados pela atual gestão, entre eles um que teria sido feito para retribuir uma vultosa contribuição financeira não declarada à Justiça Eleitoral.

Exames médicos estão marcados para o dia 26 de maio

     A Secretaria de Administração liberou hoje mais uma lista de convocação de candidatos aprovados no concurso público realizado pela Prefeitura de Mesquita em 2012. Todos deverão comparecer ao Hospital Municipal Engenheiro Leonel Brizola (antigo Hospital São José), que fica na Avenida União, 673, Centro, no dia 26 de maio, às 10h, para a realização da perícia médica. Foram convocados os seguintes candidatos: agente administrativo - Karina Reis Santiago (52º), Elaine Maria de Barros Mafra (53º), Daniel Ferreira Marques dos Santos (55º), Victor Hugo Gonçalves Menezes (56º), Priscila Lucinea Miranda de Lima (57º), Rodolpho Cezar Andrade Fassarela (58º), Cristiane Alves Pessoa (59º), Nayara da Costa Cresta (60º), Odilon do Amaral (61º), Abraão Dias Aureliano (62º), Raquel Lobão (64º), Juliana Silva Fontoura (65º), Priscila de Melo Santos Teixeira (83º ampla/12º cota n/i), Leda Araujo Neves (89º ampla/ 13º cota n/i) e Lucas José Gonçalves Freitas (92º ampla/14º cota); pedagogo social - Letícia Coelho Barbosa (1º); advogada - Danusa Dantas Bastilho Coelho (1º).

 

 Empresa não é do ramo e o que ela recebe é computado na folha de pessoal

Além dos contratos das empresas FGC Pavimentação e Construção Civil e Construtora Heringer, responsáveis, respectivamente, pela coleta de lixo e locação de máquinas pesadas, a Prefeitura de Silva Jardim terá de rever também o firmado com a empresa General Contractor - Construtora Eireli Ltda. (HighEng Construtora), no qual foi apontada uma série de irregularidades. A General Contractor foi contratada pelo prefeito Anderson Alexandre (PRB) para fornecer mão de obra ao município, uma manobra, segundo foi denunciado ao Ministério Público, “para empregar cabos eleitorais e parentes de vereadores e de membros do governo”, com Anderson copiando o esquema do ex-prefeito Marcelo Cabreira Xavier, o Marcelo Zelão (PT), que, com a mesma finalidade, contratou a Cooperativa Multiprofissional de Serviços (Multiprof). Essa contratação gerou uma operação do MP na cidade em setembro de 2012.

     Por ter contratado e pago serviço não prestado, o ex-prefeito de Cantagalo, Geraldo Pires Guimarães foi condenado pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) a devolver R$ 448.047,60 aos cofres do município. Com ele também condenado o Instituto Nacional de Desenvolvimento de Políticas Públicas (INPP), que foi contratado, por R$ 300 mil, em 2004, para “promover o aperfeiçoamento de atividades relacionadas à gestão, planejamento e implementação das metas e obras vinculadas à Secretaria Municipal de Obras”, mas não provou a prestação do serviço.