Medicamento vencido pode complicar a prefeita de Araruama
Comércio ilegal de cigarros supera mercado regular no Brasil
''Máfia'' do reboque perde a vez em Meriti
Grupo Locanty se perpetua também em Valença
Alívio no trânsito em Nova Iguaçu

Onde já operou com quatro nomes diferente e faturou R$ 44 milhões nos últimos anos

 

Está chegando a hora de a Prefeitura de Valença, cidade do Sul Fluminense, fazer uma nova licitação para o serviço de coleta de lixo que, segundo algumas lideranças comunitárias, é ruim e custa caro. O contrato atual pertence à Rio Zin Ambiental, que sucedeu a Própria Comércio e Serviços, contratada pelo prefeito Álvaro Cabral em 2013, sem licitação. Na época a Câmara de Vereadores anunciou que abriria uma investigação, porque os gastos mais que dobraram naquele ano. O então prefeito não enviou os documentos solicitados e tudo ficou por isso mesmo. A Própria – que que entrou no lugar da Locanty – foi substituída pela Rio Zin e assim um mesmo grupo vai se perpetuando na cidade, sem que a gestão do prefeito Luiz Fernando Graça deixe claro quantas toneladas de lixo são coletadas por dia e quanto o município paga por cada uma delas...

Viaduto Padre João Musch é liberado depois de nove meses em obras

 

Interditado para obras há nove meses, o Viaduto Padre João Musch, no Centro, foi reaberto na noite desta quarta-feira (31), pela Prefeitura de Nova Iguaçu, devolvendo à população um importante elevado fincado no coração da cidade. "É um sentimento de dever cumprido. Em fevereiro acordei, fiz uma reunião com técnicos e tomei uma dura decisão de fechar o viaduto. Na noite em que o interditamos, eu não dormi. Ficava preocupado com os desafios com a obra emergencial e com o próprio trânsito. O entregamos seguro, até mesmo para os pedestres. Iniciamos emergencialmente a obra estrutural, onde havia risco de cair. A parte debaixo do viaduto será cuidada, mas não oferece nenhum risco", afirmou o prefeito Rogerio Lisboa, que também já retomou as obras do viaduto da Barros Júnior, intervenção importante que vai ampliar a mobilidade urbana naquele trecho.

Decisão saiu nesta quarta-feira

 

Presa desde o último dia 10, sob acusação de fraudar documentos e assinaturas em processos que tramitam na 1ª Vara Cível de Magé, a ex-prefeita Núbia Cozzolino continuará detida preventivamente do Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste da capital fluminense. É que o Juízo da Vara Criminal da Comarca local negou, nesta quarta-feira (31) pedido de prisão domiciliar apresentado pela defesa da ex-governante do município, que alega necessidade de cuidados médicos especiais. Esta foi a terceira negativa nesse sentido e Núbia tem agora tem três decretos de prisão. Conforme já foi noticiado, em um processo eleitoral, em junho deste ano, o  desembargador Antônio Aurélio Abi Ramia chegou propor o envio de cópias dos autos ao Ministério Público, para que a Promotoria pudesse avaliar possibilidade de um eventual de processo de interdição contra ela, o que a transformaria em imputável, se a interdição fosse deferida pela Justiça.

Guillerni Ribeiro, o Guigui, foi preso na manhã desta quarta-feira em casa, onde foram encontradas munições de uso restrito

Prisão ocorre menos de um mês após o prefeito da cidade ter ajudado a tirar da cadeia o filho do parlamentar, um comerciante investigado por homicídio, tráfico e roubo

Uma operação do Ministério Público, com apoio das polícias Civil e Militar, resultou na prisão do vereador Guillerni Ribeiro de Camargo, o Guigui (MDB), suspeito de ter praticado pelo menos dois assaltos a mão armada. A prisão ocorreu dias após um filho dele, o comerciante , Rafael Xavier de Camargo – que responde a processo por ameaça, desacato e está sendo investigado em inquérito aberto para apurar os crimes de homicídio, tráfico de drogas, roubo e lavagem de dinheiro – ter ganho a liberdade por decisão judicial, em recurso no qual foi apresentada uma declaração do prefeito da cidade,  Clóvis Tostes, atestando que Rafael, que fora preso com duas armas, tem "conduta ilibada". Rafael havia sido detido na operação Sentinela, também realizada pelo MP. O comando regional do MDB vai abrir um processo para expulsar o parlamentar da legenda.

MPF constata que servidores fora de sala de estavam recebendo dinheiro do fundo

 

A Prefeitura de Duque de Caxias vai ter que fazer "imediata revisão da folha de remuneração dos profissionais da educação do município, para identificar os agentes públicos lotados, a qualquer título, na Secretaria Municipal de Educação que tenham ou têm sido remunerados, a qualquer título, com recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb)". Recomendação neste sentido foi feita pelo Ministério Púbico Federal, núcleo de São João de Meriti. Pelo que o MPF constatou, "verbas do fundo estariam sendo utilizadas para pagar salários de funcionários administrativos da Secretaria Municipal de Educação", o que contraria a lei.