Falta de transparência vira caso de polícia em Mesquita
Macaé esconde contrato emergencial de R$ 34,9 milhões
Resende municipaliza UPA, mas não fiscaliza frequência ao trabalho
Berço da história de Belford Roxo vai ser revitalizado
Arrecadação de Macaé dispara e a falta de material também

A história do município começou a ser contada em 1565

"Magé já teve o melhor carnaval do estado, isso e aquilo mais", dizem os saudosistas e só os que nasceram depois da metade dos anos 80 não chegaram a ouvir a música operária ecoando dos teares das fábricas de tecidos, que, nos bons tempos, empregavam cerca de oito mil pessoas. Hoje o maior empregador é a Prefeitura, que também já viveu dias melhores financeiramente falando. Na próxima sexta-feira (9) Magé estará completando 452 anos de fundação e o grande presente que se deseja é a certeza de um futuro melhor, o desenvolvimento de verdade, com indústrias gerando emprego e renda; as belezas naturais exploradas de forma sustentável com a fomentação do turismo, assim como o patrimônio histórico e a própria história, que começou a ser escrita em 1565. Aos 37 anos, Rafael Santos de Souza é o governante atual e a ele cabe cuidar para que a cidade não volte a ser manchete de forma negativa, como ocorreu por várias vezes, com alguns membros família Cozzolino aparecendo em destaque.

Uma certidão negativa de débitos fiscais usada pela empresa Comercial Castanho para ser contratada emergencialmente para fornecer gêneros alimentícios à Secretaria de Educação pode virar caso de polícia em Araruama. O documento está sendo questionado pela própria Prefeitura, que instaurou procedimento interno visando apurar como um nada consta que só foi requerido no dia 4 de janeiro pudesse ser emitido dois dias antes, sem contar que na data emissão a sede do governo estava fechada e não houve atendimento ao público. A ação suspeita foi descoberta na última quinta-feira, quando o processo administrativo que gerou a Dispensa de Licitação nº 14/2017, no valor de R$ 1.414.610,31, homologada no dia 3 de fevereiro foi conferido.

Gastos ficam em segredos e TCE quer ver o edital da coleta de lixo

A Prefeitura anunciou para o dia 2 de maio a concorrência pública que escolheria uma empresa para fazer a coleta de lixo na cidade, mas se isso aconteceu ninguém em Itaboraí ficou sabendo, simplesmente porque a administração municipal - comandada pelo prefeito Sadinoel de Oliveira (foto) -não disponibilizou nada sobre o processo no Portal da Transparência, a não ser o aviso de abertura do certame licitatório. Aliás, a Prefeitura não informa nada em relação ao processo do lixo  processo nem sobre esse ou qualquer outro, incluindo as famosas dispensas de licitação sustentadas pela manjada alegação de “situação de emergência”, que já comprometeram alguns milhões do orçamento aprovado para o exercício de 2017, estimado em R$ 730 milhões.

Comando do Poder Legislativo muda após renúncia de Markinho Gandra, eleito em janeiro

Eleito com 24 votos – a Casa tem 25 membros – o vereador Marcio Cardoso Pagniez, o Marcinho Bombeiro (PSL) é o novo presidente da Câmara de Belfordoxo. Uma nova eleição para a presidência foi feita para definir a substituição Marco Aurélio de Almeida Grandra, o Markinho Gandra (PDT) que, "por motivo de foro íntimo", segundo ele mesmo afirmou, renunciou ao cargo. A escolha de Marcio contou com apoio do prefeito Wagner dos Santos Carneiro, o Waguinho (PMDB) e o discurso é o de união. "A intenção é fazer com que a cidade ande e para isso o Legislativo e o Executivo tem que estar falando a mesma língua", disse o novo presidente.

A renúncia de Gandra foi em relação apenas ao cargo de presidente. Ele permanece na Casa como vereador.

Decisão foi tomada pela Justiça em processo no qual o ex-prefeito Riverton Mussi e  o ex-secretário de Mobilidade tiveram Jorge Tavares bloqueio de R$ 17,6 milhões

O prefeito Aluizio dos Santos Júnior (foto) condenou, assim que assumiu o primeiro mandato, o projeto do Veiculo Leve sobre Trilhos (VLT), batizado pelo ex-prefeito Riverton Mussi de Metro Macaé. Agora, pouco mais de quatro anos depois, ele vai ter que ressuscitar o projeto e apresentá-lo a Justiça num prazo de 120 dias. Decisão nesse sentido foi tomada em ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público contra Riverton e o ex-secretário de Mobilidade Urbana, Jorge Tavares Siqueira, acusados de lesão ao erário em obras e compras destinadas ao Projeto VLT. Nesse processo foi decretado o bloqueio dos bens e contas bancárias dos dois no total de R$ 17,6 milhões, valor necessário para ressarcir os cofres da municipalidade no caso de condenação de Riverton e Jorge, como a promotoria requereu o MP na ação.