''Trem da alegria'' apita em Macaé
Pobreza de Japeri não envergonha os ''donos'' do poder
Farmácia localizada a 240 quilômetros recebeu R$ 6,4 milhões por fornecimento de remédios a pacientes de Silva Jardim
Prefeito de Resende se comporta como quem está a algumas voltas de vantagem sobre o considerado principal adversário
Descoberta de brasileiros pode mudar a história da humanidade

O ex-prefeito Salomão Lemos Gonçalves, o ex-secretário de Saúde, Carlos Henrique Andrade e o vereador Silênio Figueira Graciano, o “Leno da Padaria”, são réus em ação de improbidade administrativa proposta pelo Ministério Público. O trio é acusado de irregularidades na contratação da empresa WD Cordeirense para fornecimento de gás (GLP) e gêneros alimentícios. Também são alvos da ação os donos da empresa, Daniele Ribeiro Suet e Wesley Vieira Dias. A promotoria está pedindo a condenação dos seis e a devolução de R$ 613.939,97 aos cofres públicos, acrescidos de juros e correção monetária, além do afastamento imediato do vereador e da manutenção do afastamento do prefeito, que já está fora do cargo por decisão político-administrativa pela Câmara Municipal.

Em sentença proferida hoje no processo 040 2490 10 2009 8.19. 0001, o juiz da 2ª Vara Civel da Barra da Tijuca, Mario Cunha Olinto Filho, condenou a Igreja Universal do Reino de Deus a indenizar uma fiel levada a fazer uma doação durante um culto da “Fogueira Santa”. De acordo com a fiel, ela fez um depósito no valor de R$ 10 mil numa conta bancária da igreja, acreditando que com isso seus problemas pessoais e financeiros seriam resolvidos. Pela sentença a Universal terá que devolver os R$ 10 mil doados e pagar mais R$ 10 mil a título de indenização moral, em valores acrescidos de juros e correção monetária.

Chefe de gabinete teria viajado aos EUA quando deveria estar trabalhando

Questionado por vários atos praticados como presidente da Câmara de Rio das Ostras, o vereador Alzenir Pereira Melo, o Nini, está enfrentando mais uma ação popular na Justiça, dessa vez por ter “comprado” as férias do seu chefe de gabinete, Sérgio Eduardo Assad Seabra Lebre, “por imperiosa necessidade do serviço público”, o que significa dizer que a presença de Eduardo na Câmara, mesmo em período de recesso parlamentar e de férias do servidor, era de extrema necessidade. Ocorre que, segundo denúncia do cidadão Júlio Cesar Carmo Leitão, autor da ação movida no processo 0002872-85.2014.8.19.0068, o chefe de gabinete não só gozou as férias como teria ido passear com a família nos Estados Unidos entre os dias 22 de janeiro a 15 de fevereiro de 2014, passando 24 dias fora, seis a menos que o total do período de férias “vendidas” à Câmara.

Lei fajuta pisou na Constituição e será derrubada 

“Amparada” por uma lei municipal que jamais poderia ter sido aprovada, por ser inconstitucional, a Guarda Municipal de Valença está usando e abusando dos autos de infrações de trânsito, quando deveria, no máximo, orientar os motoristas e ordenar o fluxo de veículos nas ruas do município. A reclamação de moradores e comerciantes locais feitas ao Poder Legislativo resultaram em projeto de lei que já está tramitando, visando corrigir o que vem sendo classificado como abuso por parte do Poder Executivo, que, entendem os reclamantes, estaria “forçando a barra para arrecadar a qualquer custo”.

Felipe da Gráfica queria ser diplomando como o segundo do PT do B

     A edição dessa quinta-feira do diário oficial da Justiça Eleitoral, trás, na página 61, a decisão da juíza da 110ª Zona Eleitoral, Patrícia Salustiano, em recurso (embargo de declaração) impetrado pelo quinto suplente de vereador pelo PT do B de Magé, Felipe Alves Pires, o Felipe da Gráfica, que vinha reivindicando a segunda colocação, alegando que os segundo, terceiro e quarto suplentes - Sergio Andre Menezes Mendonça (1.409 votos), Ciro de Souza Borba (1.335) e Ionete Machado (798) - haviam se desligado da legenda. Felipe perdeu de novo.