Pneus velhos viram canteiros em Mesquita
Itaguaí tem espaço para terceira via na sucessão municipal
Prefeitura de Aperibé vai gastar R$ 848 mil com padaria...
Transporte de alunos em Japeri vai custar R$ 3,3 milhões
Aumento no contrato da merenda daria para construir uma creche por ano em Resende

“Aliados” podem estar abanando o fogo para queimar mandato de Nestor

Entre os doze vereadores que assinaram o requerimento de formação de uma comissão de inquérito para apurar supostas irregularidades atribuídas a administração municipal, três são do partido do governo, o que reforça a informação surgida ontem de que o pedido de abertura de investigação pode ter sido “encomendado”. A revelação dá conta de que o deputado federal Washington Reis (PMDB) e o vice-prefeito Cláudio Ferreira Rodrigues, o Cláudio da Pakera seriam  interessados nesse processo e estariam abanando o braseiro. O prefeito Nestor Vidal voltou a afirmar ontem à noite que está tranquilo. “Vejo esse requerimento como legítimo dentro da prerrogativa que o Legislativo tem de fiscalizar os atos do Executivo. É claro que uma crise política nesse momento não é desejável, mas entendo que os vereadores estão cumprindo com o dever deles”, disse o prefeito.

Diário oficial continua desaparecido, mas tem licitação a semana inteira

Quem esteve na Prefeitura de Silva Jardim ontem procurando pelo diário oficial do município perdeu o seu tempo. Não foi encontrado um exemplar sequer, embora vários pregões presenciais (uma modalidade de licitação) estejam marcados para essa semana. Nessa terça-feira, por exemplo, às 10h, será feita a escolha da empresa que vai vender notebooks para a administração municipal, só que ninguém viu o aviso, simplesmente porque a publicação não foi encontrada. Irritado com as denúncias sobre as irregularidades nos processos licitatórios, o subsecretário de Comunicação Social, Ricardo Mariath, determinou ao assessor Écio Campos, por telefone, que impedisse a entrada do jornalista Cezar Guedes, que buscava informações. A licitação marcada para hoje iria acontecer na semana passada, mas foi remarcada depois que o elizeupires.com denunciou que o edital referente a ela fora publicado numa edição com duas datas diferentes, que veiculara ainda outros quatro avisos de licitação.

Em sessão encerrada no início da noite de hoje, por unanimidade, o Colegiado do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) manteve o mandato do prefeito de Maricá, Washington Luiz Cardoso Siqueira, o Quaquá (PT). Os magistrados seguiram o voto do relator do processo, desembargador Bernardo Garcez, que declarou também a inelegibilidade de Quaquá por oito anos, contados a partir de 2012, pela prática de abuso do poder político e conduta vedada a agente público. O prefeito ainda pode recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), contra a inelegibilidade.

Ex-prefeito de Rio das Ostras já pede votos, mas dependerá de recurso no TSE

Os advogados do ex-prefeito de Rio das Ostras, Carlos Augusto Balthazar terão de correr contra o tempo para lhe garantir chances de participar das eleições de 2014, pois o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) rejeitou no dia 30 de julho os embargos de declaração interpostos contra sentença que o tornou inelegível até o ano de 2021, por conduta vedada e abuso de poder econômico durante a campanha para prefeito em 2008, quando Carlos Augusto foi reeleito, derrotando o hoje prefeito Alcebíades Sabino dos Santos, que também poderá vir a ter os direitos políticos suspensos, pois responde por improbidade administrativa, em um dos casos, por superfaturamento na compra de combustível durante o seu segundo mandato de prefeito. Nessa ação, movida pelo Ministério Público, Sabino tem a companhia do secretário de Administração, Eloi Dutra Reis.

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE), vai decidir na tarde dessa segunda-feira o destino do prefeito de Maricá, Washington Luiz Cardoso Siqueira, o “Quaquá” (PT). Ele foi declarado inelegível por oito anos em julgamento na 55ª Zona Eleitoral. Se a decisão for mantida Quaquá poderá recorrer ainda ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas é possível que o TRE determine que ele aguarde o julgamento em terceira instância fora do cargo.