Especialistas vêem base curricular no país como desafio
Depois de 22 anos...
Em Magé quem faz o ''milagre'' é ''santo'' de fora
Itaboraí é o novo eldorado para o grupo da Lytoranea
Prefeitos vão se unir para reabrir hospital de Barra de São João

Até o dia 20 todo o funcionalismo já terá recebido

A prefeita Lucimar Ferreira confirmou a liberação do pagamento da segunda parcela do décimo terceiro salário. O dinheiro começou a cair em algumas contas na tarde desta quinta-feira, pegando os servidores de surpresa. A quitação do abono será encerrada até o próximo dia 20, com todos os funcionários recebendo dentro do prazo. Até 2016 sem o pagamento em dia, os servidores de Paracambi não tiveram problemas para receber seus vencimentos durante este ano, apesar dos vários arrestos de recursos determinados pela Justiça nas contas bancárias da Prefeitura para pagar dívidas deixadas pelo prefeito Tarciso Pessoa, que mergulhou a administração municipal em débitos no total de cerca de R$ 100 milhões. "É cumprindo com a nossa palavra de respeito e valorização dos funcionários que estamos caminhando para o fim do primeiro de gestão", disse a prefeita.

E dispensa ilegal de licitação em compra de remédios e equipamentos

Cinco anos após o fim do seu segundo mandato o petista Arthur Messias (foto) se tornou réu em ação civil pública por improbidade administrativa. O ex-prefeito de Mesquita foi denunciado pelo Ministério Público através da 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva (núcleo de Nova Iguaçu), junto com o ex-secretário municipal de Saúde, Wagner de Jesus Martins; três servidores e duas empresas por dispensa ilegal de licitação e superfaturamento na compra de remédios e equipamentos hospitalares, fornecimento feito pela Farmed Suprimentos e a Faxfarma Comércio, que mudou o nome para SIEG Comércio.

Os vereadores estavam tão unidos na defesa do ex-prefeito que até o presidente da Câmara, Antônio Carlos Chambarelli, votou contra a decisão do Tribunal de Contas do Estado

Contas do prefeito que deixou dívidas de R$ 100 milhões foram aprovadas pelos vereadores

Os técnicos do TCE encontraram na prestação de contas do ex-prefeito Tarciso Gonçalves três grandes motivos para levar o plenário a aprovar parecer contrário, recomendando a reprovação pelo Poder Legislativo, que faz o julgamento final. Entretanto, ao que parece, os vereadores de Paracambi devem ter encontrado umas 30 razões para derrubarem a decisão dos conselheiros do Tribunal de Contas do Estado e aprovar as contas referentes ao último ano do mandato de Tarciso, que governou por oito anos e deixou o município atolado em dívidas, débitos que, segundo levantamento da atual gestão, somam cerca de R$ 100 milhões. A Câmara se mostrou tão unida no esforço de derrubar o parecer da Corte de Contas que até o presidente da Casa, Antonio Carlos Chambarelli – cujo voto não era necessário – se posicionou a favor do ex-prefeito, que escapou de uma pena de oito anos de inelegibilidade.

Rosângela Gomes fez emenda para Marcelo Crivella construir duas Clinicas da Família

Enquanto os postos de saúde 24 horas que atendiam os moradores das localidades de Austin, Miguel Gouto e KM 32 estão fechadas por falta de recursos, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, vai poder construir mais duas unidades do programa Clinica da Família em qualquer local da cidade mais rica do estado. É que a deputada e fiel da Igreja Universal do Reino de Deus, Rosângela Gomes, que tem Nova Iguaçu como base eleitoral, apresentou no orçamento da união duas emendas para garantir recursos para a Prefeitura do Rio. Ao todo serão R$ 5,7 milhões, dinheiro que - entendem alguns iguaçuanos mais atentos, seria muito mais útil ao município de Baixada Fluminense, que está em estado de calamidade financeira.

De acordo com a Lei Complementar nº 131/09 – também conhecida como Lei da Transparência – os gastos públicos tem de estar disponibilizados de forma clara nos sites oficiais dos governos federal, estadual e municipal, mas no estado do Rio de Janeiro, por exemplo, o acesso aos números referentes aos valores pagos diretamente pelas escolas pelo fornecimento da merenda escolar não se dá de forma completa, não sendo encontradas, por exemplo, informações sobre os fornecedores que abastecem as unidades de ensino. Quinze dias já se passaram desde a veiculação da matéria "Possível cartel da merenda na rede estadual é preocupação na Baixada", publicada no dia 28 de novembro, mas a Secretaria Estadual de Educação ainda não disponibilizou os nomes das empresas que fazem a venda direta e quanto estão recebendo por isso. O portal mostra  apenas os relatórios bimestrais com informações sobre a despesa por escola, mas nos balancetes não constam os nomes das firmas.