Com promessa de tolerância zero à corrupção novo prefeito assume hoje à noite os destinos de Rio das Ostras
Vereador denuncia esquema de compra de voto para reprovar as contas do ex-prefeito na Câmara de Casimiro de Abreu
Fechada há dois anos Unidade Mista é reaberta em Belford Roxo
Moradores de Queimados terão mais água a partir de amanhã
Queimados agora tem área de lazer com proposta ecológica

A medida deve injetar R$ 21 bilhões na economia

 

O decreto que antecipa a primeira parcela do 13° salário de aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) foi publicado na edição de hoje (17) do Diário Oficial da União. A medida foi assinada ontem pelo presidente Michel Temer e prevê que o pagamento ocorra junto com a remuneração de agosto. A primeira parcela do abono anual corresponderá a até 50% do valor do benefício. O valor restante será pago com a remuneração de novembro. De acordo com o governo federal, a medida deve injetar R$ 21 bilhões na economia do país e movimentar o comércio e outros setores.

Feita na casa de uma pessoa que teria recebido cópias das gravações que revelam esquema montado para comprar voto de vereador na Câmara 

 

Paralelamente aos procedimentos do Ministério Público, a Câmara de Casimiro de Abreu vai analisar o pedido de abertura de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para apurar a denúncia apresentada pelo vereador Leilson Ribeiro da Silva, o Neném da Barbearia, de que dois membros da Casa e um empresário que tem contrato com a Prefeitura lhe ofereceram R$ 100 mil para que deixasse de comparecer à sessão do dia 11 de abril deste ano, na qual as contas do ex-prefeito Antonio Marcos Lemos foram aprovadas. Estranhamente Neném só procurou o MP na última sexta-feira (13), mesmo dia em que aconteceu uma operação de busca e apreensão na casa de uma pessoa a quem, supostamente, o denunciante teria confiado as gravações, cujas cópias ele entregou à Promotoria no ato de seu depoimento.

Organização critica resultados e defende reestruturação das polícias

 

Em vigor há cinco meses, a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro manteve práticas policiais violentas e atingiu resultados pífios, diz o Observatório da Intervenção do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes, em relatório divulgado ontem (16). A organização defende mais ações de inteligência e combate à corrupção em segmentos policiais. No balanço dos cinco meses de administração federal na segurança do estado, a organização diz que o número de tiroteios e de chacinas aumentou em relação aos cinco meses anteriores, enquanto o de apreensões de fuzis, metralhadoras e submetralhadoras caiu 39% em comparação ao mesmo período de 2017.

Pagamento teria sido feito entre 2013 e 2014 pela OAS

 

Investigações apontam a suspeita de que o senador Lindberg Farias (foto) suspeita é de que o petista tenha recebido cerca de R$ 700 mil, entre 2013 e 2014, para defender os interesses da empreiteira OAS. É o que consta de uma  manifestação enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 1 de junho. Segundo o Globo noticiou a pouco, no documento a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirma ter encontrado indícios de que o senador  atuou em favor da empreiteira na discussão de uma Medida Provisória (MP) que tramitou no Congresso durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff. De acordo com o  Globo, o caso envolve uma MP "que simplificou as licitações de obras em aeroportos, uma das principais áreas de interesse da OAS, que integra o consórcio administrador do aeroporto de Guarulhos", em São Paulo.

Luciano Mota é acusado de uma série de irregularidades com dinheiro público, mas mandado de prisão foi expedido por apenas uma

 

Em decisão divulgada a pouco pelo site Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, o  juiz Edison Ponte Bulamarqui, da Vara Criminal de Itaguaí, decretou a prisão do ex-prefeito da cidade, Luciano Carvalho Mota (foto), que também teve os bens bloqueados. A decisão atinge ainda o ex-diretor de Informática da Prefeitura, David Brites de Macedo. Os dois são acusados de desviar mais de R$ 1 milhão de dinheiro público, inserindo “funcionários fantasmas” na folha de pagamento da Prefeitura.