Educação midiática forma cidadão consciente, dizem especialistas
Guedes defende privatizações e diz que a velha política morreu
Tribunal enquadra Prefeitura de Japeri por contratar empresa sem frota
Remédios sem controle em Magé, diz relatório do TCU
Brumadinho, uma cidade inteira de luto

Juíza decretou revelia em processo criminal

No processo criminal 0000967-74.2010.8.19.0039 o ex-prefeito de Paracambi, André Ceciliano (PT) teve decretada a sua revelia. A juíza Luciana Fiala de Siqueira Carvalho, considerou que a advogada de André, Ana Paula Monteiro da Silva, “abandonou a causa, na medida em que se negou, injustificadamente, a apresentar as alegações finais orais na Audiência de instrução e julgamento”. Pesou também o fato de André não ter comparecido a audiência marcada para a última quinta-feira, mesmo tendo sido intimado por hora certa.

A minha cidade tinha dois serviços de alto-falante. Eram as difusoras locais. Um era mantido pela Matriz de Santo Antonio e o outro pela Legião da Boa Vontade. Do primeiro eu não gostava nem um pouco. É porque nos finais de tarde, na hora da transmissão da Ave Maria, era despertado para uma realidade que muito me angustiava. O segundo tocava os sucessos musicais da época. Todos os dias ouvia Ângela Maria cantando “Cinderela” e eu viajava escutando a canção. Também tinha o Ataulfo Alves, filho ilustre do “Pequenino Mirai”, cantando uma homenagem a seu berço.

Um dia imaginei ser o mundo um simples fundo de quintal e, mais ainda, todinho meu. Sentia-me um “rei” e “reinava” no pomar da Fazenda União - na zona rural de Mirai, lá nas Minas Gerais -, quando passava alguns dias com meus avós maternos, Maria e Isidro Gomes Monteiro.

Aposentado continua sem saber como instituto de previdência movimentou R$ 900 mil em com seu nome e CPF


Dois anos e três meses após um aposentado ter denunciado que seu nome e CPF foram usados em operações financeiras que movimentaram cerca de R$ 900 mil na conta Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Casimiro de Abreu (IPREV-CA), até hoje a situação não foi esclarecida. A denúncia foi feita ao elizeupires.com no dia 15 de julho de 2007 pelo funcionário aposentado da Prefeitura, Romildo de Oliveira Moreira, que na época tinha rendimento mensal líquido de R$ 799,25, pago IPREV-CA.

Uma semana após o procurador do município, Adonel Magalhães ter anunciado que irá questionar na Justiça os responsáveis pelo prejuízo de cerca de R$ 2,5 milhões causado por uma aplicação financeira aos cofres do Instituto de Instituto de Previdência dos Servidores do Município de Casimiro de Abreu (IPREV-CA), funcionários revelam que pretendem solicitar uma auditoria nas contas do órgão referentes aos oito últimos anos, por acreditar que os danos financeiros podem ter sido muito maiores e podem afetar o futuro do funcionalismo municipal, que conta com o IPREV-CA para se aposentar.