Macaé: redução de preço determinada pelo Tribunal de Contas na licitação da coleta de lixo durou apenas um ano
Depois do centro de Nova Iguaçu, bases do 'Segurança Presente' serão implantadas em Austin e Miguel Couto
Tem feira no point em Magé
Queimados diz que maternidade está pronta, que só faltam os equipamentos para inaugurá-la, mas ainda não pagou pelo prédio
Prefeitura de Japeri esconde contratos da merenda: cinco fornecedores foram escolhidos por mais de R$ 17 milhões
Queimados via Volta Redonda: contrato de gestão de hospital na Cidade do Aço teria se transformado em bom ''negócio de família''

Jorge Zoinho e Adrian Mussi estão na farra do aluguel de carros

Embora de bases muitos distantes - o primeiro é do Sul e o segundo do Norte - dois deputados da bancada no Rio em Brasília figuram na lista dos 21 parlamentares investigados pelo Tribunal de Contas da União (TCU), por supostamente gastarem de maneira irregular a chamada verba de gabinete. Jorge de Oliveira, o Zoinho (PR), de Volta Redonda e Adrian Mussi (PMDB), de Macaé, segundo já foi apurado pela Ong Contas Abertas, vinham alugando veículos de empresas sem endereço certo, sendo que uma delas nem frota tem. A situação de Zoinho, que está brigando para assumir a Prefeitura de sua cidade, onde ficou no segundo lugar na disputa eleitoral do ano passado, teve a situação complicada, pois o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal autorizou a abertura de inquérito para apurar se o deputado. O pedido foi protocolado dia 16 de agosto e acatado dia 24, mas essa decisão só foi divulgada essa semana.

Empresa que recebe R$ 4,5 milhões em Valença, usa CNPJ de outra

O contrato firmado pela Prefeitura de Valença com a empresa Própria Comércio e Serviços para recolher o lixo da cidade não poderia ter sido feito e não precisa ser nenhum especialista em administração pública para se chegar a essa conclusão. Basta uma simples olhada no contrato, seguida de rápida consulta no site da Receita Federal, para verificar que o prefeito Álvaro Cabral precisa, com urgência, substituir os membros da Comissão de Licitação da Prefeitura, pois eles não levaram em consideração o fato de o número de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) apresentado como sendo da Própria ser de outra empresa, além de a contratada não apresentar Certidão Negativa de Débito (CND) do INSS, o quem por si só, a impediria de contratar com a administração pública.

O ex-prefeito de Resende, Silvio de Carvalho (foto), foi denunciado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público Estadual, por ter contrato, sem licitação, o Instituto de Desenvolvimento Gerencial (INDG). Além de Sílvio foram denunciados e responderão por improbidade administrativa, Ricardo Rabelo Macedo (ex-procurador geral do município), Ronaldo Freitas Ramos (ex-procurador adjunto), João Paulo dos Santos (ex-controlador-geral) e o engenheiro Vicenti Falconi Campos, representante da INDG.

Conselheiro Graciosa também é réu em ação penal

O subprocurador-Geral da República Oswaldo Barbosa Silva sustentou ontem, na Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o recebimento de ação penal proposta pelo Ministério Público Federal contra o presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), Jonas Lopes, e o conselheiro José Graciosa. A ação é um dos desdobramentos da Operação Pasárgada, deflagrada pela Polícia Federal em 2008, desbaratando um esquema de pagamento de propina para que os contratos de prestação de serviços do Grupo Sim de Consultoria firmados com prefeituras fossem aprovados.

Babo define secretariado e anuncia corte de 60% dos cargos

Depois de confirmar sua equipe de trabalho e reduzir para apenas nove o número de secretarias (eram 26), o novo prefeito de Barra do Pirai, Jorge Babo (PPS), confirmou ontem que vai continuar fazendo cortes e o mais radical deles será a extinção de 60% dos cargos em comissão, os chamados cargos de confiança. Babo, que tomou posse na última segunda-feira, resolveu não nomear, por exemplo, titulares para as secretarias de Fazenda, Recursos Humanos, Ordem Pública e Desenvolvimento Econômico, que serão comandadas por secretários de outras pastas, em acúmulo de função.